Pediátrica

O que é?

‘Displasia do Desenvolvimento do Quadril’ é o termo médico utilizado para designar alguma alteração na formação da estrutura do quadril. O diagnóstico precoce, ideal entre o nascimento do bebê e os seis primeiros meses de vida, é extremamente importante para os resultados do tratamento.

Antigamente, a Displasia do Desenvolvimento do Quadril era conhecida como luxação congênita do quadril. A terminologia foi mudada para abranger melhor todas as alterações anatômicas que podem ocorrer no quadril, passando pela displasia, subluxação e luxação.

Na linguagem popular-não médica, pode-se dizer que a Displasia do Desenvolvimento do Quadril é uma alteração que faz com que o osso do fêmur não esteja corretamente encaixado no quadril. Com a cabeça do fêmur fora da articulação, o acetábulo (osso da bacia) não se desenvolve e fica “raso” (displasia). Com o passar do tempo, fica cada vez mais difícil de se reencaixar os ossos.

Quais as causas?

Não existe uma causa específica descrita para a Displasia do Desenvolvimento do Quadril, mas é possível observar a presença de alguns fatores de risco nas crianças que apresentam a condição:

- histórico familiar;
- bebês brancos e do sexo feminino;
- associação com deformidades nos pés (metatarso varo) ou na coluna vertebral;
- crianças primogênitas (primeiro filho da mulher);
- posição uterina (em especial bebês que permanecem sentados durante toda ou grande parte da gestação);
- fatores hormonais ou sindrômicos;
- peso alto do bebê no final da gestação e nascimento.

Sintomas e Diagnóstico

Os recém-nascidos e bebês que possuem Displasia do Desenvolvimento do Quadril não costumam apresentar sintomas perceptíveis aos pais ou pessoas próximas. É possível, eventualmente, sentir e escutar um “clique” do quadril quando se está trocando a fralda ou mudando a posição do bebê, mas isso não caracteriza claramente um sintoma da condição.

A melhor maneira para diagnosticar a Displasia do Desenvolvimento do Quadril é manter um calendário de acompanhamento regular com o médico pediatra. Isso porque nas consultas periódicas, o pediatra realiza dois exames no bebê que indicam se há alguma alteração na formação da estrutura do quadril.

O primeiro exame é a Manobra de Barlow, que identifica uma instabilidade no quadril (mesmo que ele pareça encaixado, ao realizar a manobra o médico percebe se a região é instável). A segunda manobra é chamada Manobra de Ortolani, que indica uma luxação. É importante ressaltar que as duas manobras são executadas rapidamente (por meio de movimentos de abdução e adução das pernas) e não causam dor nenhuma no bebê.

Pelas manobras, já é possível identificar se a criança tem Displasia do Desenvolvimento do Quadril e iniciar o tratamento. O pediatra pode também solicitar uma radiografia e ultrassonografia para complementar o diagnóstico e acompanhar o tratamento.

A observação de assimetria das pregas (dobrinhas da pele) e do comprimento dos membros inferiores também são sinais típicos.

Além disso, se o bebê estiver no grupo de risco e não for positivo para as manobras, o pediatra pode realizar o ultrassom para descartar a possibilidade de um encaixe não muito bem desenvolvido do quadril – que não se enquadra nos casos apresentados por Barlow e Ortolani – e que pode, se não tratado, evoluir para uma luxação no futuro.

Essas manobras também são realizadas frequentemente nas maternidades, assim que os recém-nascidos recebem os primeiros cuidados.

Importância do Diagnóstico Precoce

A Displasia do Desenvolvimento do Quadril é mais facilmente diagnosticada logo no começo da vida. As Manobras de Barlow e Ortolani deixam de apresentar resultados com o passar do tempo, tornando a descoberta da condição mais tardia e complicada. Quanto mais perto da idade do Desenvolvimento da Marcha, mais difícil será a correção das alterações.

O diagnóstico precoce também é muito importante porque o tratamento apresenta resultados mais satisfatórios (em aproximadamente 96% dos casos) quando realizado logo no começo da vida.

Tratamento

O objetivo central do tratamento da Displasia do Desenvolvimento do Quadril é manter o quadril na posição correta (encaixado). O método aplicado vai depender do diagnóstico e da idade da criança.

Em geral, do nascimento até os três meses, o tratamento é por meio de aparelhos ortopédicos, como o Suspensório de Pavlik. A órtese vai realizar a função de colocar o corpo “no lugar”, encaixando o quadril. Após os três meses, o tratamento pode incluir engessamento (gesso por um período determinado) seguido do uso de uma órtese específica.

Quando o diagnóstico é realizado depois que a criança começa a andar, o método de tratamento vai depender da avaliação médica. Podem ser realizadas tentativas semelhantes às descritas acima ou o encaminhamento imediato para a cirurgia, a fim de estabilizar o encaixe do quadril.

Quanto mais precocemente a Displasia do Desenvolvimento do Quadril for realizada, menos invasivos são os tratamentos e com maior chance de sucesso.

Vale lembrar também que parte dos recém-nascidos que apresenta uma alteração pequena no quadril, tem o encaixe estabilizado de maneira natural com o crescimento, sem necessidade de tratamento específico. Estes casos necessitam de acompanhamento cuidadoso.

Agende sua consulta online

Marque agora sua consulta através do nosso agendamento online.

Agende agora

Serviços ao paciente

Veja aqui a relação de serviços próximos a nossos endereços:

Unidade Perdizes

Rua Cardoso de Almeida, 634 Cj 32
Perdizes - São Paulo, SP
CEP: 05013-000

Telefone: (11) 3672-3114
WhatsApp: (11) 98834-1309

Unidade Berrini

Rua Hilário Furlan, 107
Brooklin - São Paulo, SP
CEP: 04571-180

Telefone: (11) 2117-0100
WhatsApp: (11) 94143-0032