Cotovelo

bursite olecraniana do cotovelo

O que é?

A bursite olecraniana, também conhecida popularmente por cotovelo de estudante, é a inflamação da bursa localizada na ponta do cotovelo. A bursa é uma bolsa sinovial que carrega o líquido sinovial, e auxilia o bom funcionamento da articulação reduzindo o atrito e protegendo estruturas importantes, como os ossos e tendões. A patologia leva esse nome por conta da proeminência óssea chamada de olecrano (ou olecrânio), que confere o formato pontudo ao cotovelo.

Quais as causas?

Existem diversas causas comuns para a inflamação no cotovelo, mas a principal é ficar com o cotovelo apoiado por muito tempo, como é o caso de muitos estudantes universitários e trabalhadores, o que acaba sobrecarregando a bursa. Outra causa muito comum são os traumas no local, que além de prejudicar a mobilidade da articulação, aumenta a chance de ocorrer inflamação e dor no cotovelo. Esportistas que fazem uso constante de movimentos do braço (caso de tenistas) também podem estar sujeitos à doença.

Apesar de o início da bursite ser lento e pouco sintomático, sem o devido tratamento, ela pode se tornar crônica e exigir um tempo maior de cura. Já nos casos de início traumático, como fraturas locais ou acidentes (como quedas), a bursite pode ser hemorrágica, que é quando há sangramento interno da bursa, mas o corpo não consegue absorvê-lo. Por fim, uma das causas menos comuns, é a infecção da bursa, que tem os mesmos sintomas, mas exige um tratamento mais ágil e diferenciado das demais, com o uso de antibiótico.

Quais são os sintomas da bursite olecraniana?

Como descrito acima, o início da patologia é quase assintomático, contudo, o sintoma mais comum (tanto no início como na fase crônica da doença) é o inchaço posterior do cotovelo. Na fase aguda, o cotovelo inchado pode ser acompanhado de dor forte e insuportável à palpação, mesmo durante o movimento.

Por conta do inchaço e da possível hemartrose local (que é o vazamento de líquido interno, como sangue), a região acometida do cotovelo fica avermelhada e o paciente pode sentir uma sensação de calor no local. A maioria dos pacientes sente dificuldade em realizar movimentos com o braço, como dobrá-lo.

Como é feito o diagnóstico da bursite olecraniana?

O diagnóstico da bursite olecraniana deve ser feito clinicamente por um ortopedista geral ou especialista em cotovelo. No intuito de separar informações que auxiliem o médico, o paciente deve preparar uma pequena lista com os sintomas sentidos, um breve relato das atividades físicas e também o histórico de saúde familiar e individual.

Dessa forma, o ortopedista pode descartar outras doenças e seguir para a segunda etapa, que é o exame físico. Nele, o médico vai apalpar levemente o cotovelo e pedir para ao paciente fazer movimentos de rotação e esticar o braço. É importante analisar os dados e o local do problema para descartar outras doenças de sintomas parecidos, como a epicondilite lateral.

Se ainda assim não for possível realizar o diagnóstico, o ortopedista especialista em cotovelo pode pedir alguns exames de imagem, como uma ultrassonografia, radiografia ou ressonância magnética, pois é comum encontrar a presença de osteófitos (pequenas proeminências ósseas anormais) ou calcificações em pacientes que já tiveram bursite no cotovelo. Em caso de bursite infecciosa, o médico pode pedir também um exame de sangue para diferenciar a presença da doença chamada “gota” (aumento do ácido úrico) da infecção.

Quais são as opções de tratamento disponíveis?

Existem duas formas de tratamento disponíveis, o tratamento conservador e o tratamento cirúrgico. A primeira opção é indicada para todos os casos, mas depende da gravidade de cada um. Nela, o médico prescreve medicamentos analgésicos para diminuir a dor no cotovelo, anti-inflamatórios para reduzir a inflamação e no caso de bursite com infecção, antibióticos. Cuidados paralelos também podem ser indicados, como compressas de gelo, uso de cotoveleira e mudanças de atividade.

Por conta do líquido acumulado no local, que pode ser sinovial, sangue ou pus, o médico pode fazer uma punção, que é a drenagem desse líquido por meio de agulha. Caso haja suspeita de infecção ele também pode enviar o material de amostra para análise em um laboratório para verificar a presença de bactérias. Para o caso de grande inchaço acompanhado de dor, o médico pode recomendar injeção de medicamentos corticoides, que aliviam a dor e o inchaço local, mas devem ser feitos com cautela, pois também podem prejudicar.

A segunda opção de tratamento, que é a cirurgia, é indicada para os casos mais graves onde o tratamento conservador não obteve resultado. A cirurgia mais comum é a de remoção da bursa inflamada, feita com anestesia. Na grande maioria dos casos que necessitam de cirurgia da bursite olecraniana, o corpo se encarrega de regenerar a bursa por conta própria.

Informações de recuperação e pós-operatório

Após a cirurgia de remoção da bursite, o paciente deve permanecer um dia no hospital, e os pontos podem ser retirados em até no máximo duas semanas.

Para a reabilitação, o paciente deve utilizar uma cotoveleira almofadada para proteger o local e realizar sessões de fisioterapia para fortalecer a musculatura. A plena retomada de atividades vai depender do perfil de cada paciente, mas não costuma ser demorada.

Agende sua consulta online

Marque agora sua consulta através do nosso agendamento online.

Agende agora

Serviços ao paciente

Veja aqui a relação de serviços próximos a nossos endereços:

Unidade Perdizes

Rua Cardoso de Almeida, 634 Cj 32
Perdizes - São Paulo, SP
CEP: 05013-000

Telefone: (11) 3672-3114
WhatsApp: (11) 98834-1309

Unidade Berrini

Rua Hilário Furlan, 107
Brooklin - São Paulo, SP
CEP: 04571-180

Telefone: (11) 2117-0100
WhatsApp: (11) 94143-0032